quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Quebra-cabeça

Ela sorri, daquele jeito despojado, de quem vai desaparecer a qualquer momento, feito encanto.
Depois diz palavras que parecem vãs, sem sentido para a direção da
minha indagação, conversa de brinquedo.
"Amar assim, não pode ser verdade! Você está se gastando demais"
__ Com o amor?
__ Não...
Desapareceu no meio das plantas, me deixando com a fumaça doce daquele cigarro encravado que costumava fingir gostar. Ajuda a refletir, dizia.
Ela sempre tinha as respostas. Eu sabia! Mas não dava, nem insinuava.
Eu é que tinha de aprender a juntar as peças.
"A vida de verdade, meu bem, não é feita nem sentida de mão beijada."
Eu? ...Eu ainda nada.



Um comentário:

Anônimo disse...

como faço para aprender montar o quebra cabeça? prq eu..eu ainda nada tmb.