sábado, 4 de outubro de 2014

"Está vai ficar. Como um desabafo.
Quando eu era criança passava horas sentada na escada do quintal pensando no motivo de eu existir, naquele Universo imenso, eu.
Durante a adolescência eu fugia da escola, passava tardes inteiras debaixo da cama. Eu queria fugir de tudo aquilo que se movimentava dentro de mim e eu não sabia porquê. Me senti como um fantasma durante toda a vida, mas não fui.
Eu queria ser escritora, queria fazer uma revolução por meio dos pensamentos, sentimentos. Da consciência.
Eu queria ser artista, tocar piano, violão, cantar. É a arte, seja ela qual for, que nos salva da desolação.
Ter uma casa cheia de flores, com tapete para eu pisar descalça enquanto tomasse vinho e esperasse meu amor se aproximar. E me amar na eternidade de um momento.
Eu queria ter viajado um bocado, registrado com delicadeza o mundo, ainda que insano e desigual, tantas vezes. E o outro mundo, com outro olhar, o cheio de luzes, de sorrisos, de esperança, de amor.
Eu queria tanto tirar esse grito que me magoa de dentro de mim. Esse brado absurdo. Eu queria me dissipar como uma nuvem...Eu queria poder ter feito algo de significativo.
Eu poderia ter alcançado as estrelas, mas alguma coisa cortou as minhas asas e elas nunca mais cresceram. Nunca mais.
A vida pode ser tão bonita assim como ser tão cruel. E eu queria poder acreditar que se pode escolher. Que a história do livre arbítrio não fosse uma mera metáfora.
Todos os caminhos espirituais que conheci e que estudei, sempre foram um tanto desumanos com as fragilidades humanas. 'Tenha força!' 'Vença seus medos.' 'Pensamento Positivo.' 'Nunca desista.' 'Você tem uma missão e não adianta fugir dela.'
O problema não é ajudar. Ajudar é elevação dos sentimentos e da consciência, é a felicidade materializada. O problema é quando você tem que fazer algo porque pode lhe ser tirado algo precioso para o seu equilíbrio enquanto ser.
A música é a arte que mais se aproxima do totalidade do ser. A dádiva divina. Até o silêncio tem a sua harmonia.
Eu gostei de tantos filmes. Os filmes acordam os sentimentos que adormecem ao longo dos dias de pedra que levamos nessa vida robótica.
Os livros? Me faziam sentir que eu estava viva e que continuar era possível. A Literatura salva a humanidade da sua brutalidade e do seu esquecimento.
Não quero ser um fantasma nas redes sociais. Eu comecei a estar ausente das reuniões com as amizades, com a família, até da minha própria vida eu me ausentei.
Aonde eu estive, estou?
Deve existir algo realmente muito maior do que isso tudo, algo além. Algo que explique, algo que faça todas as existências fazerem sentido e terem o respeito que merecem. Todas.
Eu queria ter feito mais da minha vida.
Não consigo mais respirar. Cada dia é uma dor insuportável.
E por todas as coisas que eu não vivi nem viverei, eu deixo o meu desejo que as vidas que ainda perduram, que aí estão, as que desabrocham, que elas aconteçam de forma magnífica e encantadora, suave, simples, sublime.
Por existir, não deveríamos merecer menos do que a magnitude de experimentar a transcendência dos nossos sentidos, de ter o mínimo de dignidade para poder ver e viver um pouco a imensidão do existir, que palavras ainda não alcançaram, ao menos para mim.
Eu fui uma sonhadora. 'Os tempos são difíceis para os sonhadores'.
Eu lutei e resisti até onde pude, até onde meu corpo e minha mente puderam chegar.
Minhas lágrimas nunca secaram. Meu amor nunca acabou.
A natureza vai guardando meus passos, ainda que sejam os últimos sobre esta terra.
Eu não vou vê-la crescer. Nunca mais verei o sorriso dele. Não verei mais todas as cores de todos os seres que me inebriavam.
Eu acredito na vida. Acredito.
Eu sou um organismo mutante que não se adaptou a evolução.
Eu sou um universo em expansão.
O big bang acontece.
E para todos e todas aquelas e aqueles que parecem partir antes da hora, onde a morte nunca será compreendida pelos que continuam com os espaços vazios daqueles e daquelas que amam.
Se a morte é um mistério. A vida é um ainda maior."

Lançou seu desabafo ao vento. E partiu.
 









Nenhum comentário: